Angústia…

Tento serenar, mas as imagens que percorrem o meu pensamento não o permitem…

São vidas derramadas pelo chão, pessoas amputadas de futuro e olhares vazios de onde já não brota nada.

A fuga sem plano é feita apenas com o instinto de sobrevivência, num abismo de emoções, rumo a uma qualquer geografia onde haja paz e possibilidade de recomeçar. Os gritos são silenciosos e detonam para dentro da própria alma.

Crianças inocentes brincam alegremente num qualquer abrigo de refugiados de guerra, emprestando alguma alegria e normalidade, e comovendo…

Não me conformo com estas atrocidades, cometidas por ambições estreitas, mas sinto-me esmagada pelo peso dos obstáculos e por esta dor, mas vou ligar o meu fio de esperança ao de tantos outros, gerando um ponto de luz que permita relançar a vida.

Não sabemos para onde caminhamos, neste mundo incerto e intrincado de problemas que nos deixa a sensação de desamparo, onde os sonhos não habitam.

Mas nestes dias em que a vida já nos assoma embaciada, é preciso dar espaço àquela brecha por onde pode entrar um raio de sol, que faça derreter o gelo de corações empedernidos. E a partir dessa pequena porção de energia, conseguiremos ver tudo mais claro e encontrar o norte.

(Manuela Resendes)

2 Comments

Deixe uma Resposta para Manuel Maia Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s