Dia de Amigos…

Em tempo de pandemia a comemoração do Dia de Amigos terá de ser mais contida, com a devida distância física, mas em festa, pois a amizade não conhece muros, nem confinamentos, e muito menos faz uso de máscaras ou de restrições de liberdade.

A amizade atravessa a imensidão do espaço e transcede todos os limites, num tempo fértil e cúmplice, sempre com a porta aberta para falar e escutar, para sublimar o silêncio e perscrutar o olhar, sendo âncora quando nos foge o chão.

Mas é também feita de risos desarmados e alianças inquebráveis, aventuras em mar aberto sem rotas delineadas, fazendo ecoar azuis profundos. É resistência nas tempestades e abrigo nas chuvas de verão, sabendo acolher as palavras desamparadas, ávidas de serem escutadas antes de calcificarem, silenciadas.

Mas quando os meus olhos se alagam de água, os amigos são o porto seguro, como sou para eles o céu de azul macio em dias de raivas flamejantes.

Os amigos são pacientes e tolerantes, pois são feitos de uma bondade que poucas vezes encontramos, de uma leveza fascinante, suspensos num fio invisível de dádiva permanente.

Os amigos são o açúcar e o sal, com que temperamos a vida.

Feliz dia de amigos, sempre em segurança!

(Manuela Resendes)

Pandemia, a quanto obrigas

Estamos de novo privados de liberdade, mas a contagem do tempo não cessa e a vida continua a ter de se cumprir, agora com menos ruído e travagens repentinas.

É tempo de ver a paisagem da janela, ouvir a natureza e parar para pensar o nosso papel na família, na sociedade e no Mundo.

E porque o tempo é uma matéria prima escassa e de alto valor acrescentado não nos podemos dar ao luxo de o esbanjar, banalizar ou transformar num tédio que se arrasta vagaroso e sem propósito.

Vamos soltar os nossos pensamentos, soprados por uma brisa suave, que nos vai conduzindo sem roteiro prévio a lugares pouco visitados, onde encontramos respostas inesperadas.

O Mundo está em profunda metamorfose, donde resultará uma nova ordem, mas precisamos de refletir sobre a forma de continuar esta caminhada. Não podemos ter medo de ser a peça que não encaixa, de ser círculo no quadrado ou o sol em dia de chuva pois, por vezes, temos de ser disruptivos com o previamente estabelecido para ver a mudança acontecer.

Não nos podemos apenas amargurar com os males do mundo, temos antes de os escutar e combater, de indignar e acolher causas, de mobilizar e persuadir com o nosso querer e a nossa luz.

O tanto que há para fazer não nos pode paralisar, e mesmo sabendo que somos ínfimos na imensidão da terra temos de pensar no exemplo do mar que é feito de gotas e possui uma força infinita.

Vamos reaprender a parar, pensar e só depois agir, sinto que é urgente…

(Manuela Resendes)

Raízes…

Sopra uma brisa de saudade

Ouço o crepitar do fogo na lenha

Vou cantarolando uma resenha

Que tem por nome liberdade

Entre cascatas e pontes seculares

Navegando ao sabor do vento

Vou ganhando um novo alento

Sobre nuvens de cores solares

O galo canta a madrugada

De um tempo sem medida

O sino anuncia a despedida

A enxada repousa cansada

A noite despontou já escura

Perfumada de melancolia

Conta histórias que conhecia

Embala sonhos de ternura

(Manuela Resendes)

Viragem…

O dia já nasceu cinzento e triste, não correspondendo ao brilho do que é novo, da luz do que acaba de nascer, nem das expetativas dos recomeços.

Mas a partir de um olhar mais atento não deixo de me deslumbrar com a cadência da chuva a cair, com o vaivém das ondas ou com o eco da minha voz, ampliada pela sua ressonância.

Quando conseguimos tirar prazer das coisas simples ganhamos asas invisíveis, o brilho das estrelas e a saciedade das esperas recompensadas. Porque só conseguimos impulso para a mudança depois de lavar a alma com a água da chuva, cicatrizar as feridas com o sal do mar e evaporar as mágoas, soltando ao vento ensejos de esperança.

Depois quero partir para lugares que desconheço, sentir vida a brotar do chão e a liberdade coada pelo tempo, conseguindo assim preencher de sonhos o vazio das noites vagas.

Porque a vida será sempre um mistério…

(Manuela Resendes)

Ano Novo…

Os finais de Ano são tempo de balanço e de formular expetativas quase infantis de que a mudança cronológica será milagrosamente transformadora do mundo.

Mas nada acontece, se continuarmos na nossa imutabilidade; temos sim de fazer uma paragem para perceber o que precisa ser costurado com pequenos arranjos e o que requer ser refeito, ou mesmo rasgado.

É tempo de festa, mas também de introspeção, em que devemos dar espaço ao silêncio e acolhê-lo, escutando as perguntas que emergem do nosso íntimo e que teimamos em adiar a resposta para um momento ideal, que raramente acontece.

Que saibamos ver, e não apenas olhar, os subtis detalhes do nosso quotidiano, para que a mudança aconteça a partir de decisões conscientes que tomamos.

Mudar de Ano é apenas a passagem de mais um ciclo, nesta convenção de medida do tempo que nos permite fazer uma paragem para ganhar embalo para o futuro.

Mas não bastam listas de intenções, nem promessas já banalizadas, porque a mudança acontece a partir das sementes que fazemos brotar e pela conquista da liberdade de pensar e concretizar. Existem, no entanto, imprevisibilidades e situações adversas, que não conseguimos mudar, restando-nos aceitar e tomar as decisões que nos tragam paz ao coração.

Não podemos deixar que a indiferença nos atinja, perante as injustiças, a desumanização ou a violência, porque já fazem parte do nosso quotidiano. As situações de vulnerabilidade têm sempre de ser acolhidas, escutadas e, do que nós depender, mitigadas.

O meu desejo para 2021 é que a vida aconteça na sua plenitude, em que possa ter todas as idades, desde sentir uma inocência infantil, à responsabilidade pessoal e de cidadania, sabendo por vezes tocar a eternidade, porque são as emoções que acendem a chama da vida.

Para ganhar um Novo Ano, não basta esperar pelas doze badaladas e brindar aos desejos para o novo Ano, é preciso mudar, é preciso merecê-lo…

(Manuela Resendes)

O Natal acabou! E agora?

Este foi um Natal diferente, mas cheio de significado e rico de sentimentos recheados de intensidade, apelando a uma bondade nova, com a magia e o brilho de uma fé quase infantil.

Não tivemos as reuniões de família alargada, os convívios com amigos ou os jantares com colegas de trabalho, mas tivemos a possibilidade de abrir a janela a uma experiência nova, de um tempo prolongado numa intimidade mais silenciosa e reflexiva.

Foi tempo de guardar caixas com novas memórias, bater a portas fechadas para avistar as estrelas e confiar na espera de auroras luminosas, dando alento a quem vai perdendo a coragem.

Percebemos a nossa interdependência, porque só a breves espaços a vida é vivida individualmente, mas o que faz sentido é a partilha e o conforto do abrigo do outro nos momentos de fragilidade, aquecendo assim corações gelados que vivem desabrigados de corpo e alma.

Que nos saibamos libertar das teias que inconscientemente vamos tecendo com o amontoado de concessões e frustrações não verbalizadas, bem como das vulnerabilidades não acolhidas, que nos aprisionam tornando impossível o voo. Façamos antes um laço, que ligue a nossa vida à do outro, pelos afetos cúmplices pela entrega e doação, conectando assim a vida e a esperança.

E se assim for, das nossas palavras, mesmo que ditas em silêncio, vai-se ouvir o eco do Amor…

(Manuela Resendes)

Obrigada…

E nas voltas da vida completei mais um Outono, rodeada de carinho de tantos que quiseram estar de alguma forma presentes neste dia tão especial de um ano tão difícil e atípico.

Estes têm sido tempos desafiadores, com novos problemas, dores já conhecidas e diferentes lições, vividos com uma estranheza que nos intimida. Mas os tempos difíceis, podem também ser de oportunidade, dando espaço a vontades antigas e alcançando horizontes desconhecidos.

Nasci no dia do solstício de inverno e transporto essa luz no olhar, permitindo-me um espanto renovado a cada noite de céu estrelado, ou com a gota de orvalho em forma de lágrima sobre a pétala frágil.

Gosto do cheiro a terra molhada, a urze queimada ou do alecrim, que me despertam todos os sentidos para um regresso a infância onde me reposiciono para novos voos.

Que nunca deixe de me emocionar com a dor de alguém que sofre, para rapidamente limpar as lágrimas e ser amparo.

Que mantenha sempre a capacidade de me indignar com todo o tipo de injustiças e a vontade de lutar ao lado daqueles que vão perdendo a força ou não se conseguem fazer ouvir.

Que consiga viver apaziguada com a presença dos ausentes, sorrindo das suas histórias bonitas e honrando sempre a sua memória. E que os atropelos da vida nunca me façam perder a doçura e a capacidade de ser grata às pessoas “farol” da minha vida.

E porque a vida é uma oportunidade única, que este novo número augure um tempo para me ir reinventando neste caminha cada vez mais espiritual, ajustando o ângulo que me permita a melhor perspetiva e deixando-me transportar pelo vento para além do que já sou…

(Manuela Resendes)

Natal com sentido…

Este Natal vai ser necessariamente diferente atendendo às circunstâncias que todos estamos a viver.

Mas podemos fazer desta dificuldade uma oportunidade para alavancar o renascer do verdadeiro espírito Natalício, abrindo uma brecha por onde espreite uma renovada esperança.

Não teremos o consumo desenfreado, nem as casas cheias de tudo e de nada, mas teremos o essencial e tempo para oferecer sobre variadas formas.

Estaremos mais serenos e harmoniosos, transmitindo paz e esperança a quem vive dias áridos de sofrimento e solidão.

Seremos o brilho, que iluminará mentes sombrias que só conhecem dias de escuridão, e saberemos perdoar sem ressentimentos aqueles que viveram privados de Amor.

Vamos oferecer sorrisos, alento e ternura embrulhados em belos laços coloridos de amizade. Escrever poesia em postais de Natal com mensagens genuínas que irão tocar o coração dos seus destinatários.

Vamos dar oportunidade às crianças de fazerem uso do seu e do nosso tempo, segundo as suas prioridades, e assim aprenderemos a magia do Amor desconstruído e a conseguir um maior equilíbrio entre o ser e o ter.

Que as manhãs destes dia auroreais, com cheiro a azevinho e tangerina, de preparação para a comemoração do nascimento de Jesus Cristo, nos inspire a dar ao outro morada no coração, abrigo no abraço e força nos momentos de vulnerabilidade.

Talvez assim este Natal diferente venha a ser memorável!

(Manuela Resendes)

Puzzle…

O frio que faz lá fora também se faz sentir dentro de mim!

Os dias passam, o tempo some pelo coador das horas, mas nada é linear. Entre alegrias e tristezas, chegadas e partidas, sonhos e frustrações, vamos compondo as peças do “puzzle” da nossa vida.

Mas há sempre um fio de luz, uma réstia de esperança, que nos dá o alento para prosseguir e vencer as provações.

É preciso desafiar as dificuldades, inventar novas soluções e corrigir a rota sempre que necessário.

Por vezes temos de mudar o nosso ancoradouro de sítio porque a felicidade também muda de porto.

E não podemos ter medo dos ventos fortes, pois muitas vezes correm a nosso favor e transportam-nos mais rapidamente ao nosso destino.

Em dias sombrios temos de procurar as janelas com vista para o céu, sair da penumbra e deixar entrar o sol e ver o mundo com olhos de fé.

E para nos aquecer o coração, acendemos a chama do Amor, degustamos Poesia e aprendemos a Gratidão.

(Manuela Resendes)

Quando cai a noite…

Vejo a noite a espreitar por entre as cortinas e fixo-me na luz que vai sendo cada vez mais precária e fugidia.

Penso nas pessoas para quem a noite é tempo de inquietude e sobressalto, num mundo que vai morrendo à mingua do que é essencial.

Penso nas crianças que são violentadas, sendo-lhes roubado os olhares inocentes que eram a janela para as maravilhas do mundo.

Penso nos idosos que passaram mais um dia sedentos de atenção e afetos, olhando o tempo a fugir e a esperança a desvanecer-se.

Penso nas pessoas que são” invisíveis “para a sociedade, e que cansados de lutar se afogam nas águas turvas da desilusão.

Penso em quem é vitima de ódios crispados, fazendo dos céus estrelados noites opacas.

Penso naqueles que não têm voz e no silêncio da noite ouvem o eco do seu grito.

E penso se estarei a fazer a minha parte para tornar este mundo injusto e hipócrita num lugar melhor.

A sós comigo irei fazer essa reflexão!

(Manuela Resendes)