Brisa Outonal…

Despertei lentamente, sem pressa, nem sobressalto.

Saí à rua e senti uma brisa outonal a soprar levemente e quis ser vento, sempre tentada pelo voo.

Pareceu-me ser tão livre, vagueando carregado de saber, dominando a cartografia, vivendo desamparada, mas sem medo.

A sua força é capaz de movimentar as ondas e impulsionar a viagem dos navegantes. Muda de direção a qualquer momento, e sem ter asas toca nas nuvens, abrindo brechas e descendo as montanhas a alta velocidade.

Solta as folhas das arvores e as pétalas das flores, para que dancem livremente no chão, e parte impregnado de perfume .

Os ventos podem ser frios e tempestuosos, ou apenas uma brisa que nos afaga, numa carícia consentida e se nos deixarmos levar por ele, conseguimos levitar e soltar as amarras da nossa mente.

Mas esta ladainha do vento, a anunciar o Outono, com as janelas pontilhadas de gotículas de chuva e as nuvens quase a desabar em pranto, emprestaram-me a serenidade de saber que a natureza é feita de promessa.

E o vento com a sua invisibilidade misteriosa continua a ser o milagre que nos resgata, por ser sempre poesia ou prosa!

(Manuela Resendes)

2 Comments

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s