O farol

Ao longe avisto um farol

Que ilumina o mundo sombrio

Cais que vai abrigar do frio

Noites sem perfume de lençol

Em noites de tempestade

Almas inundadas de anseios

Olhos que são pátria de receios

Matam a fome com a dignidade

Mar incerto, espelho do mundo

Reflexo de uma luz inconformada

Onde se acendem velas de esperança

E neste momento que é fecundo

Nasce o sol, rompendo a madrugada

Soltando o grito da vitória, mudanca!

(Manuela Resendes)

1 Comment

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s