Natal da minha infância…

christmas-crib-figures-1060026_960_720.jpg

Nāo existia tanta luz, tanto brilho, tanta abundância, mas a palavra que encontro para melhor definir o Natal na minha infância é Mágico…

A preparação era longa mas prazerosa, tudo feito em família empolgados pela alegria do reencontro.

Montava-se o presépio, colhendo com cuidado os “tapetes” de musgo, e procurando as mais bonitas pedrinhas, para servirem de chão às figuras do presépio, dispostas com o rigor e o empenho que a tarefa requeria.

Não faltava também o pinheiro, escolhido a preceito, decorado com motivos natalícios, na sua maior parte fruto da criatividade dos mais talentosos para o efeito.

Enchia-se a casa com verduras, próprias da época, deixando um perfume que ainda hoje conservo na minha memória.

christmas-2919725_960_720.jpg

Da cozinha, com uma desordem ordenada, os aromas iam dando conta do que por lá se fazia.Preparavam-se as iguarias que não podiam faltar na mesa de Natal, como os biscoitos, a massa sovada e os licores.

A azáfama dos preparativos e a família reunida, enchiam a casa de uma vivacidade e alegria que tornavam as tarefas leves e divertidas.

O ponto alto do Natal era a Missa do Galo, há meia-noite em ponto, com a igreja engalanada para a festa, não faltando o presépio, que apesar de se repetir ano após ano tinha sempre um encanto renovado. No fim da missa, em fila, todos iam beijar o Menino Jesus, culminando assim a celebração do seu nascimento.

De volta a casa, o caminho era percorrido a pé, numa excitação incontida, entre risos e gargalhadas, pois seguia-se o momento de abrir as prendas deixadas pelo Menino Jesus. Cada pessoa tinha uma prenda que pela surpresa e valor sentimental fazia as delícias de todos.

Ceavam-se as iguarias preparadas para o momento, madrugada fora entre brincadeiras e animadas conversas.

No dia de Natal, o almoço era o ponto alto com toda a família reunida a volta da mesa para saborear um repasto com o melhor que havia, em que se seguiam os jogos, a conversa e os petiscos até ser noite, juntos e imbuídos de um verdadeiro espírito natalício.

Hoje já não há Magia… apenas Natal!

(Manuela Resendes)

nativity-scene-1807089_960_720.jpg

2 Comments

  1. Nas minhas recordações de infância, o Natal está presente e com essa magia de que fala no seu bonito texto e que se foi perdendo, infelizmente, dando lugar ao consumismo. É com alegria e alguma nostalgia (a saudade é responsável por isso, mas não deixa de ser normal) que recordo esses momentos e tive a sorte (sempre adorei fazer isso!) de visitar amiudadas vezes, ao longo do ano, os familiares e amigos idosos, dos quais recordo as conversas e o que aprendi com eles. Dia em que não fizesse uma visita a um deles ou mais não era completo, nem me sentia tão feliz. Por vezes, quando saía da escola ou um pouco mais tarde, acompanhada da minha mãe. Mais crescida, ia sozinha e deliciava-me ouvi-los! Não trocava isso por nada! Saudades? Tantas que parece transbordarem do meu coração! Beijinho.

    Gostar

Deixe uma Resposta para Juvenalia Chaves Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s