Sábado, a olhar o céu

O dia amanhece revestido de tons cinza, com uma pitada de sol a abrilhantar o mar que se reveste de prata.

Sinto saudades de um mundo alegre, sem o frio das incertezas provocado por aragens de descontentamento, que procuram abrigo na alma.

Vejo olhares submersos em solidão, olhando para o infinito, que cabe na palma de uma mão.

O céu tem as mesmas cores de sempre, mas falta a luz imaculada das auroras. As aves dançam sobre espumas frondosas, mas já não ouço o canto das cigarras.

As tardes alaranjadas, com as cores do fogo, já nāo têm a mesma harmonia de outros tempos, agora pontuadas pela angústia do anoitecer sem o brilho de um céu estrelado.

Sinto pouca felicidade no mundo, mas a esperança irá renascer de segredos escondidos nos abismos dos mares e no infinito que se abrirá para nos oferecer a liberdade.

(Manuela Resendes)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s