Em Dia de São Valentim

O Amor, não tem dia nem hora

O tempo nele é uma constante

Onde cabe a eternidade e o instante

Na ambiguidade da presença e demora

É brisa refrescante no abraço

Voo de asa solta no azul do céu

Levantando assim as pontas de véu

Navegando nas ondas do espaço

A ver a luz do sol a desmaiar

E de novo a aurora a raiar

Entre o sonho, o sono e a realidade

E de tanto te compreender, sinto

A cor da dor e da alegria, por instinto

Sem amarras, presa no fio da liberdade

(Manuela Resendes)

1 Comment

Deixe uma Resposta para Manuel Maia Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s