Tudo e o seu contrário

Sou vazio e sou eternidade

Alicerce de gota orvalho

Caminho pelo meio do atalho

Pisando pedras de ambiguidade

Invento tardes já renovadas

Feitas de azuis e andorinhas

Desprezo as vozes mesquinhas

Onde faltam as palavras aladas

E quando sinto o perfume do vento

Em noites prenhes de amanheceres

Vejo luzes de lentos incandesceres

E ganho assim novo alento

(Manuela Resendes)

2 Comments

Deixe uma Resposta para manuresendes Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s